sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Cientistas das universidades de Illinois, Northwestern e Tufts, todas nos Estados Unidos, criaram um circuito eletrônico capaz de se dissolver na água ou em fluídos corporais, como sangue ou saliva, após funcionar por um período de tempo determinado.
A nova tecnologia é biodegradável, compatível com organismos vivos e não deixa rastros, segundo a pesquisa, publicada na revista "Science" desta semana. Os cientistas foram capazes de criar sensores, detectores de luz, transístores e até câmeras digitais simples usando o material.
A descoberta pode trazer avanços na área de saúde, como a criação de implantes médicos, por exemplo, que não precisarão ser retirados por cirurgia. Chamada de "eletrônica transitória", a tecnologia também poderá ser usada para o monitoramento ambiental, aponta o estudo.
Os pesquisadores colocaram o dispositivo eletrônico, feito de silício, dentro de uma cápsula de proteína de seda. A estrutura da cápsula determina o tempo de dissolução - dias, semanas ou até anos. Como os materiais são extremamente finos e biodegradáveis, eles podem dissolver em minutos na água se forem projetados para isso, apontam os cientistas.
Os novos circuitos "transitórios" são o "oposto da eletrônica convencional, já que os circuitos atuais são projetados para serem de longo prazo", isto é, para durarem muito tempo, aponta no estudo o pesquisador Fiorenzo Omenetto, professor de engenharia da Universidade Tufts.

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Um novo método desenvolvido por pesquisadores brasileiros e norte-americanos permitirá mais rapidez e precisão no diagnóstico da leucemia e melhorará o monitoramento da resposta do organismo ao tratamento de quimioterapia.

Participaram do estudo dois cientistas brasileiros do Centro de Terapia Celular (CTC) da Universidade de São Paulo (USP) e mais cinco dos institutos nacionais de Saúde dos Estados Unidos.

Hoje, para o diagnóstico de câncer, os laboratórios citogenéticos analisam as alterações estruturais dos cromossomos nas células. Com o método, as células são examinadas uma a uma no microscópio, permitindo a análise de apenas 20 delas. O novo
método usará o mesmo processo, mas terá capacidade de analisar até 30 mil células em menor tempo.

Segundo Rodrigo Calado, professor do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, que participou da pesquisa, o novo método usa um aparelho chamado citômetro de fluxo, que, atualmente, faz exames de linfócitos em pacientes portadores do vírus da imunodeficiência humana (HIV) ou com fibrose pulmonar e anemia aplástica – ocasionadas por anormalidades nos telômeros, extremidades dos cromossomos.

A novidade é que os cientistas descobriram uma nova aplicação para o aparelho, no diagnóstico e monitoramento do câncer de sangue, sendo a leucema o mais prevalente. Eles decidiram combinar o citômetro de fluxo com o método antigo, chamado de fluorescência, melhorando a eficiência do processo. “Combinamos os dois para poder analisar uma grande quantidade de células”, disse Calado.

O professor conta que já usou o citômetro de fluxo experimentalmente em diagnósticos de pacientes com câncer. Ao usá-lo, os pesquisadores notaram que o aparelho pode também ajudar o médico a observar a resposta ao tratamento do câncer. “Se havia, no começo, 100% de células com alteração no cromossomo e, com o passar do tempo, o número diminuiu para 1%, isso indica que o tratamento está sendo efetivo”, explicou.

O método pode ainda auxiliar indicando se a quimioterapia possibilitou a cura total do paciente. “Se com o passar do tempo, [o paciente] ainda tem 1% de células com alteração cromossômica, isso sugere que o tratamento, embora tenha tido uma resposta, não foi completo. Isso porque [o paciente] ainda tem células do câncer presentes em circulação”, observou.

De acordo com Calado, o desenvolvimento do método levou dois anos. O pesquisador estima que o novo diagnóstico esteja disponível para a população em três ou quatro anos. “Os laboratórios têm que adaptar o que já existe para poder fazer esse método, e isso leva tempo”, disse. Ele estima que, quando chegar ao mercado, o teste com  o novo método custe em torno de R$ 500 por paciente.


Um grupo de cientistas identificou uma nova estirpe do vírus da gripe que já matou mais de 160 focas bebês ao largo da costa Nordeste dos Estados Unidos e que se teme que venha a ter também consequências nos humanos.

A nova estirpe do vírus H3N8, segundo os investigadores da Escola de Saúde Pública de Mailman da Universidade de Columbia, parece derivar de uma outra forma que circulava nas aves, mas que agora atingiu estes mamíferos marinhos em Nova Inglaterra. As análises aos corpos que deram à costa permitiu perceber que as focas – quase todas com menos de seis meses – tinham pneumonias graves.

A investigação, publicada no mBio, uma revista científica da Sociedade Americana de Microbiologia, explica que as autoridades começaram a ficar preocupadas ainda em Setembro de 2011, quando várias focas apareceram mortas. Autópsias a cinco corpos permitiram detectar pneumonias e lesões em todas elas compatíveis com uma infecção por um vírus da gripe, que veio a identificar-se como uma nova estirpe do H3N8.

“Quando os testes iniciais revelaram a presença de um vírus da gripe aviária, fizemos uma pergunta óbvia: como é que este tipo de vírus saltou das aves para as focas?”, explicou Simon Anthony, autor principal do estudo. O grupo sequenciou o genoma desta estirpe e percebeu que o vírus em causa descende de uma forma que circulava nas aves da América do Norte desde 2002 e que sofreu agora mutações, conseguindo atingir o sistema respiratório das focas.

Por isso, e tendo em consideração a recente histórica da gripe das aves (H5N1) e da gripe A (H1N1), os cientistas temem que agora chamada gripe das focas (H3N8) venha a representar um perigo para a saúde pública se sofrer alguma mutação que lhe permita infectar pessoas. O H5N1 continua a ser raro, mas já matou quase metade das pessoas infectadas desde a primeira pandemia, que surgiu em Hong Kong em 1997. A Organização Mundial de Saúde contabilizou 606 casos humanos de gripe aviária desde 2003, dos quais 357 foram mortais, de acordo com um relatório de Junho. 

“As nossas descobertas reforçam a importância de vigiar a vida selvagem para prever e prevenir pandemias”, acrescentou, num comunicado, W. Ian Lipkin, da mesma universidade. “O vírus da AIDS, a síndrome respiratória aguda, o vírus do Nilo Ocidental e da gripe são exemplos de infecções emergentes que tiveram origem em animais.”

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Cientistas criaram em laboratório um tipo de mosquito Aedes aegypti que não transmite o vírus da dengue. O resultado da pesquisa, liderada pela Universidade de Monash, na Austrália, e feita em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz, está sendo apresentado no 18.º Congresso Internacional de Medicina Tropical, no Rio de Janeiro.

Os pesquisadores introduziram no Aedes aegypti a bactéria Wolbachia, presente em 70% dos insetos do mundo. Essa bactéria atua como uma espécie de vacina para o mosquito e bloqueia a multiplicação do vírus dentro do inseto. Dessa forma, o mosquito não transmite mais a dengue.

A colônia de Aedes aegypti com Wolbachia é criada em laboratório. Depois, os insetos são liberados na natureza. Livres, eles se reproduzem com mosquitos locais e a bactéria é transmitida de mãe para filho pelos ovos.

Além de bloquear a transmissão do vírus da dengue, a bactéria também tem efeito sobre a capacidade de reprodução. As fêmeas com Wolbachi sempre geram filhotes com a bactéria - independente da situação do macho. No entanto, os óvulos fertilizados das fêmeas sem Wolbachia, que se acasalam com machos que tenham a bactéria, morrem. 

Por conta disso, mesmo que uma pequena população de insetos com a bactéria seja introduzida na natureza, rapidamente esse tipo de mosquito se torna maioria. Foi o que aconteceu nas localidades de Yorkeys Knob e Gordonvale, em Cairns, na Austrália. Apenas cinco semanas depois da liberação dos mosquitos com a bactéria, em janeiro de 2011, a presença de insetos com Wolbachia alcançou 100% em Yorkeys Knob e 90% em Gordonvale, como mostrado abaixo.

Os especialistas se referem ao estudo como "potencial tecnologia autossustentável", uma vez que a transmissão da bactéria é garantida no processo reprodutivo do mosquito, dispensando os custos de soltura continuada no ambiente. 

No Brasil, o projeto está na primeira fase. Os cientistas estão fazendo, em laboratório, a manutenção de colônias dos mosquitos com Wolbachia e o cruzamento com Aedes aegypti de populações brasileiras. 

O projeto "Eliminar a Dengue: Desafio Brasil" conta com financiamento da Fiocruz, Ministério da Saúde (Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS e Departamento de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos - DECIT/SCTIE) e Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (CNPq).

Um sistema de proteção para computadores que utiliza conceitos de imunologia relacionada aos seres humanos. Esse foi o projeto de mestrado em Ciência da Computação da analista de segurança Isabela Liane de Oliveira, apresentado em 2012 na Universidade Estadual de São Paulo (Unesp). O programa de defesa foi criado para mapear elementos que podem ser nocivos ao computador e, a partir dessas informações, identificar e evitar novos ataques.
O projeto usa princípios de seleção negativa, semelhante ao que o sistema 
imunológico humano faz, efetuando uma verificação inicial para certificar se o código é invasor e nocivo. A operação permite excluir ações normais do computador e isolar o malware. Em uma comparação, Isabela, que estudou imunologia para aplicar à pesquisa, indica que os malwares e vírus seriam as substâncias estranhas, enquanto o programa equivaleria aos anticorpos nos seres humanos.

Dividido em subsistemas, o programa trabalha em duas principais frentes. Na coleta distribuída, o sistema conta com a ajuda de sensores instalados na rede, propositalmente desprotegidos, que recolhem amostras de malwares e códigos maliciosos. A captação também é realizada por meio da análise do conteúdo e dos anexos de e-mails, ou ainda de links suspeitos informados pelos usuários. Em outra etapa, o sistema executa o malware em um ambiente controlado e analisa o comportamento do código na máquina e na rede onde ele tentou se conectar.


A partir dessas informações, o programa cria duas assinaturas, que servem de base para futuras verificações do sistema quando um novo código malicioso for detectado. "Por intermédio de cálculos computacionais, é possível determinar se esse elemento possui uma assinatura que o identifique realmente como uma ameaça", explica o professor que orientou a pesquisa, Adriano Mauro Cansian, doutor em Segurança de Redes. Caso essa análise acuse o perigo, os mecanismos de defesa são acionados. "Se tiver correspondência, é gerada uma resposta imunológica, e isso é informado ao administrador da rede", detalha Isabela.
Programa não substitui antivírus


Os conceitos de imunologia, segundo Isabela, já são utilizados no desenvolvimento de sistemas para detectar falhas em redes, mas essa ainda é uma área nova em pesquisas. No Brasil, a analista aponta seu projeto como um dos primeiros a aplicar essas definições na identificação de malwares. Ainda em fase de estudos, o sistema poderá ser viabilizado comercialmente, conforme apostam a pesquisadora e seu orientador. "As características cada vez mais mutantes dos ataques exigirão técnicas cada vez mais adaptativas e automatizadas para proteção e defesa", entende Cansian. 


Fonte: Terra.com

terça-feira, 18 de setembro de 2012



O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) recebe, até 21 de setembro, propostas para a chamada pública que visa selecionar o primeiro grupo a integrar o Sistema Nacional de Laboratórios em Nanotecnologias (Sisnano) – rede criada para estruturar e ampliar o acesso de cientistas e empresas à infraestrutura de pesquisa básica e avançada com matérias de tamanho atômico. 


Instituído pela Portaria 245, de 5 de abril, e regulamentado pela Instrução Normativa 2, de 15 de junho, o Sisnano tem formato multiusuário e vai garantir aos laboratórios que o integrarem prioridade nas políticas públicas de apoio à infraestrutura e à formação de recursos humanos, de acordo com as diretrizes da Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (Encti). Associada ao Plano Brasil Maior, a nanotecnologia é considerada uma área estratégica para o desenvolvimento do país, com inúmeras aplicações industriais. 
O Sisnano está sob responsabilidade da Coordenação-Geral de Micro e Nanotecnologias (CGNT), da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do MCTI (Setec). O formulário para submissão de propostas está disponível na página do sistema e deve ser enviado nas versões digital, por e-mail, e impressa, para o endereço da CGNT, em Brasília. 
Após selecionar os laboratórios, o Comitê Consultivo de Nanotecnologia (CCNano) e a CGNT vão discutir as condições, caso a caso, para os candidatos integrarem o sistema. Feito isso, as partes se comprometem a assinar um acordo de cooperação técnico-científica. Segundo a coordenação, o perfil do conjunto de laboratórios integrados ao Sisnano vai definir a política de financiamento, o volume e a distribuição de recursos para a rede. 
Fonte: Ascom do MCTI.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012


Confira o calendário dos EU2012 da UFC

ICs e Monitores : Não percam os prazos !!!
    


Calendário dos Encontros Universitários 2012
Término das inscrições
Prorrogadas até o dia:
20/09/2012
Divulgação dos Trabalhos Inscritos25/09/2012
Fim do prazo para análise dos trabalhos31/10/2012
Divulgação dos Trabalhos Aceitos05/11/2012
Encontros Universitários21 a 23 de novembro de 2012

 


Labmol lança seu site: 

https://sites.google.com/site/labbmol/

LIBS parabeniza o Prof. André Coelho, seus estudantes e colaboradores por essa iniciativa. A UFC ganha mais uma equipe científica de qualidade para pesquisa de excelência na área de Biotecnlogia.


Saudações de boas vindas do novo site; 

Bemvindo

Ao site do LabMol

Obrigado pela visita!

Este é um espaço utilizado para divulgar as atividades de pesquisa e formação de recursos humano desenvolvidas no Laboratório de Biotecnologia Molecular.

Aqui os visitantes poderão conhecer um pouco as nossas atividades e acompanhar as pesquisas com acesso a materiais científicos, links interessantes e notícias.

Abraços,
Prof. Dr. André Luis Coelho da Silva.



O projeto da fábrica de vacinas Bio-Manguinhos no Ceará será apresentado nesta sexta-feira, 14 de setembro, pelo diretor do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos/ Fiocruz), Artur Roberto Couto, em reunião do Comitê Gestor do Polo Industrial e Tecnológico da Saúde (PITS). A reunião será realizada no auditório Waldir Arcoverde, da Secretaria da Saúde do Estado, Avenida Almirante Barroso, 600, Praia de Iracema, a partir das 9 horas. Será o segundo projeto do Polo Industrial e Tecnológico da Saúde apresentado ao Comitê Gestor. O primeiro foi o da unidade da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), que prevê um prédio de gestão e ensino com 13 mil metros quadrados de área e 23 salas de aula com capacidade para 560 alunos, um prédio de pesquisa, de 15 mil metros quadrados de área, com 15 laboratórios, dois deles de nível de biossegurança 3, um prédio de infraestrutura, auditório para 300 lugares, anfiteatro e praça. As construções ocuparão 30 mil m2 de uma área total urbanizada de 40 mil m2.

O Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos) é a unidade da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) responsável pelo desenvolvimento tecnológico e pela produção de vacinas, reativos e biofármacos voltados para atender prioritariamente às demandas da saúde pública nacional, garantindo autossuficiência em vacinas essenciais para o calendário básico de imunização do Ministério da Saúde. O número de vacinas entregue para o Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde aumenta anualmente. Em 2011, foram mais de 144,5 milhões de doses de vacinas entregues ao programa, mais de 6 milhões de reações para kits de diagnóstico e 9,6 milhões de frascos de biofármacos. Os produtos de Bio-Manguinhos garantem à população brasileira acesso gratuito a imunobiológicos de alta tecnologia e permitem a redução dos gastos do Ministério da Saúde.



Maquete digital da unidade da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) no Ceará

A instalação da fábrica de vacinas Bio-Manguinhos no Ceará foi confirmada em abril deste ano. A primeira fábrica de vacinas da Fiocruz fora do Rio de Janeiro tem no orçamento deste ano R$ 20 milhões de reais para o Polo Industrial da Saúde e mais R$ 150 milhões autorizados para o triênio 2013, 2014 e 2015 – R$ 50 milhões por ano – destinados ao empreendimento. O projeto de implantação do Polo Industrial e Tecnológico da Saúde (PITS) tem como objetivo principal desenvolver o setor farmoquímico do Ceará, promover a integração entre academia e indústria e fomentar a sinergia entre as indústrias que formam o polo.

O projeto do Polo Industrial e Tecnológico da Saúde (PITS) consiste na implantação de um Polo Tecnológico da Saúde, no bairro da Precabura, município de Eusébio. A propriedade na qual será implantado o empreendimento tem uma área total de 55 hectares. O local já foi desapropriado pelo Estado, conforme o decreto nº 29.803, de 15 de julho de 2009. São três empresas âncoras: Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), CTI Renato Archer (vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia) e Isofarma. A área institucional tem cerca de 25 hectares e as áreas restantes serão ocupadas por novos empreendimentos.


Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira/ Marcus Sá ( [email protected] / 85 3101.5220 / 3101.5221 / 8733.8213)
Twitter: @SaudeCeara

quinta-feira, 13 de setembro de 2012


Portaria publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13) autorizou a liberação de mais de R$ 33 milhões para reforma da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand e do Hospital Universitário Walter Cantídio, equipamentos do complexo hospitalar da Universidade Federal do Ceará. O montante é o maior destinado pelo Governo Federal a cinco hospitais universitários brasileiros, num total de R$ 47,6 milhões de investimento, oriundos do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), para reforma e modernização do parque tecnológico das unidades.

Fonte: Superintendência do Complexo Hospitalar da UFC – (fone: 85 3366 8600)



Nessa semana em Fortaleza-CE, acontece o IV CIOCE (Congresso Internacional de Odontologia do Ceará), um dos maiores congressos científicos odontológicos no âmbito nacional e internacional.
Como não é de se estranhar, o LIBS marca presença com a apresentação de 3 trabalhos orais em diversos dias de congresso. Para aqueles que quiserem conferir as apresentações, segue abaixo o cronograma:

Dia 13.09.12 - Victor Aragão Abreu (IC) - 17:40
Dia 14.09.12 - Érica Rabelo (Mestranda) - 10:20
Dia 15.09.12 - Bruno Rocha (Mestrando) - 11:40

Desejamos os parabéns para todos os apresentadores e esperamos que todos possam comparecer para prestigiá-los.

quarta-feira, 12 de setembro de 2012


Excelentíssima Senhora Presidenta,

A Federação das Sociedades Brasileiras de Biologia Experimental (FeSBE), que congrega nove sociedades científicas atuantes na área, decidiu, em sua reunião anual ocorrida em 24 de agosto, manifestar-se solidária com os professores das universidades públicas federais que realizam movimento nacional pleiteando melhores condições de trabalho.

No Brasil, a maior parte da pesquisa científica se faz em Universidades Públicas por profissionais cuja qualificação requer formação altamente especializada por longos períodos, e que nem sempre são remunerados com salários compatíveis com sua qualificação. Esta distorção e outras tornam a carreira nessas instituições cada vez menos atraente aos docentes-pesquisadores mais jovens, bem como para profissionais mais qualificados e experientes - pesquisadores estrangeiros, por exemplo - quando há interesse nacional estratégico em incorporá-los.

As metas de ampliação na formação de recursos humanos graduados e pós-graduados qualificados, necessárias para o salto qualitativo da produção nacional em Ciência, Tecnologia e Inovação almejado por todos e de importância crucial ao País, dependem de uma carreira universitária atraente e bem remunerada. A recente expansão do sistema universitário federal, como resultado do Reuni, ainda carece de ações governamentais que viabilizem as condições de trabalho necessárias para que essas novas unidades possam atuar em níveis minimamente condizentes com as atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão que a comunidade demanda. Nesse sentido, aspectos como a valorização do trabalho de professores pesquisadores em dedicação exclusiva, bem como melhoria das condições físicas de trabalho após a implantação do Reuni, entre outros, ainda estão por requerer equacionamento urgente.
A FeSBE vem manifestar a Vossa Excelência a importância de manutenção de canais de negociação permanentes entre o executivo federal e os docentes-pesquisadores federais, na tentativa de sanar as divergências e implementar as medidas requeridas para que a universidade pública brasileira possa exercer o seu papel fundamental com maior empenho e competência, garantindo assim um futuro brilhante ao Brasil.
FeSBE
XXVII Reunião Anual, Águas de Lindóia, SP
24 de agosto de 2012



Justificativa
            Quorum sensing (QS) é um sistema de comunicação célula-célula dependente da densidade que regula as expressões gênicas utilizadas por bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, funcionando como um novo alvo promissor para o controle de infecções, e este mecanismo vem sendo amplamente investigado. QS consiste em dois componentes, um autoindutor de sintetase (geralmente um homólogo LuxI) que quando a sua concentração atinge um determinado limiar, ele interage com a sua proteína reguladora (proteína R, geralmente um LuxR homólogo). Na bactéria Pseudomonas aeruginosa dois sistemas hierárquicos foram identificados: las e sistema RHL. O sistema QS las controla as expressões de muitos fatores patogênicos, como exotoxina A e catalase, enquanto o sistema QS RHL controla piocianina, lectinas, e A e B. Inclusive diversos estudos têm sugerido que os sistemas de QS podem estar envolvidos no estabelecimento de infecções, e o sistema de QS em P. aeruginosa poderia ser alvo de controle de uma infecção. Vários tipos de mutantes tem sido criados para investigar os efeitos do QS em infecções. O gene I de exclusão pode ser classificado em três tipos: exclusão lasI; rhlI exclusão e lasIrhlI exclusão dupla. Assim como a exclusão de R tem três tipos: exclusão lasR; exclusão rhlR e lasRrhlR exclusão dupla. Os efeitos da exclusão R foram avaliados em um modelo de infecção pulmonar em ratos. O objetivo do estudo deste foi investigar os efeitos do QS nas infecções de feridas cutâneas crônicas usando um rato modelo de úlcera de pressão.
Materiais e Métodos
            As cepas utilizadas nesse estudo foram de P. aeruginosa PAO-1, 14-PAO MW1, 15 e PAO1-MP3, onde algumas estirpes foram geradas por uma técnica de substituição de genes com deleções nos genes lasI e rhlI. Foram utilizados para modelo de ferida de pressão induzida por isquemia, ratos machos adultos específicos e isentos de agentes patogênicos, pesando cerca de 280 g cada. Os ratos foram submetidos a inoculação com cada estirpe de P. aeruginosa e no grupo de controle, uma quantidade igual de tampão de fosfato (PB) foi usado em vez das bactérias. Após 3 dias (onde foi observada uma acentuada inflamação, o que facilitou a avaliação dos efeitos da QS na indução da inflamação) os animais foram sacrificados e colheu-se amostras de pele, e estas foram armazenadas a -80ºC até à análise. Então foi feita a avaliação das respostas inflamatórias, a contagem bacteriana e para verificar crescimento do biofilme bacteriano realizou-se uma microscopia eletrônica de varredura(MEV). Foram realizados também a quantificação de AHLs (acetil homoserina lactona) bem como ensaios de in vitro da produção de AHL e ensaios de motilidade.
Resultados e Discussão
            As observações brutas das feridas isquêmicas induzidas por pressão revelaram uma inflamação mais grave no grupo infectado com PAO-1 do que no grupo tratado com PB (controle), e a inflamação foi caracterizada por aumento de exsudados sangrentos e endurecimento em torno da área da ferida no terceiro dia. Também no dia 3, não foram observadas diferenças significativas nas contagens bacterianas entre os três grupos de P. aeruginosa infectados. Quando as estirpes foram inoculadas em feridas, não foram observadas diferenças claras nas áreas das feridas entre os grupos PAO-1 e DlasIDrhlI, enquanto que o grupo DlasRDrhlR mostrou uma área de ferimento significativamente maior do que o grupo de PAO-1.
            Os experimentos demonstraram que não houve diferenças significativas nas respostas inflamatórias entre a cepa PAO-1 e dois tipos de cepas QS mutantes, derivados de PAO-1: DlasIDrhlI e DlasRDrhlR, como avaliadas pelos exames histopatológicos. Pode-se observar através da microscopia eletrônica de varredura que houve formação de biofilme imaturo em estirpes mutantes, que foi definido pela ausência de agregados bacterianos densos e matriz polimérica extracelular.
Conclusão
            Com base nos resultados apresentados, pode-se esclarecer o papel do QS na fase nicial de inflamação durante a cicatrização de feridas cutâneas. Os resultados também mostraram que os QS mutantes induziram graus semelhantes de respostas inflamatórias na fase inicial da infecção, mas exibiu formação de biofilme imaturo e  baixa produção de AHL. O esclarecimento do mecanismo de QS na infecção de feridas isquêmicas pode acelerar o progresso no controle de infecções no tratamento de feridas.

Resumo por: Marianne Pontes - IC
                  




Na edição do Guia do Estudante 2013, que circula a partir de 25 de outubro, 43 cursos da UFC aparecem classificados com cinco, quatro e três estrelas. Na edição anterior, a Instituição apareceu com 39 cursos estrelados. A publicação de caráter nacional, lançada anualmente pela Editora Abril, é utilizada pelos estudantes como guia para escolha das melhores instituições de ensino do País.

Seis cursos da UFC foram considerados excelentes, ganhando cinco estrelas: Direito, Engenharia de Pesca e Aquicultura, Física, Matemática, que repetem o conceito do ano passado, além de Química e Zootecnia, que conquistaram mais uma estrela em comparação com a edição 2012 do Guia do Estudante.


Trinta cursos receberam a classificação quatro estrelas (muito bom): Administração, Agronomia, Biblioteconomia, Ciência da Computação, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Ciências Sociais, Economia Doméstica, Educação Física, Enfermagem, Engenharia Civil, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Produção, Engenharia de Telecomunicações, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Engenharia Química, Estatística, Farmácia, Filosofia, Geografia, História, Jornalismo, Medicina, Design de Moda, Pedagogia, Psicologia, Publicidade e Propaganda e Secretariado Executivo.

Outros sete cursos foram classificados com três estrelas (bom): Administração (Cariri), Biblioteconomia (Cariri), Ciências Atuariais, Engenharia Metalúrgica, Geologia, Medicina (Sobral) e Odontologia

O Guia do Estudante é resultado da avaliação de uma equipe de consultores formada por professores, coordenadores de curso, chefes de departamento e avaliadores do Ministério da Educação. Cada um deles classifica os cursos conforme os conceitos excelente (cinco estrelas), muito bom (quatro estrelas), bom (três estrelas), regular, ruim e "prefiro não opinar", com base no questionário preenchido pelos coordenadores. É importante destacar que os consultores não podem avaliar os cursos das instituições onde trabalham. 


Fonte: Pró-Reitoria de Graduação da UFC – (fone: 85 3366 9496)




terça-feira, 11 de setembro de 2012

SBlogI: O apoio à ciência aplicada e o abandono da ciência...: É antiga a discussão entre ciência básica e ciência aplicada em termos de importância, prioridades etc. No Brasil muito se tem falado sob...


A Universidade de São Paulo (USP) subiu 30 posições em sua classificação no ranking geral deste ano e foi a universidade com a melhor avaliação de toda a América Latina, segundo a classificação global anual de instituições de ensino superior feito pelo instituto QS.
A USP subiu para 139ª posição; depois dela, a instituição latino-americana mais bem posicionada no ranking é a Ponfícia Universidad Católica de Chile, que ocupa a 195ª colocação
O ranking específico para a América Latina foi estabelecido no ano passado. A USP manteve a primeira posição que havia conquistado em 2011.
O Brasil conta ainda com 65 universidades entre as melhores 250 instituições de ensino mundiais, de acordo com o ranking.
Segundo o QS, ''apesar de o Brasil ainda ter de fazer muito antes que possa atingir seu objetivo de longo prazo de alcançar um sistema educacional de nível mundial, a confirmação de sua dominação regional fornecida pelo ranking deste ano indica progressos encorajadores''.

'Esforço nacional'

O QS afirma que o desempenho das instituições brasileiras ''pode, em parte ser atribuído a um esforço nacional para ampliar o acesso à educação superior - com o número de inscrições tendo triplicado na década passada - e a políticas que visam ampliar a qualidade e a quantidade de sua pesquisa''.
Entre as dez primeiras colocações da lista da América Latina há, além da USP, outras duas universidades brasileiras - a Universidade de Campinas (Unicamp), que ocupa o terceiro lugar, e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na oitava posição.
Ao todo, a lista das dez melhores da América Latina conta com quatro instituições chilenas, três brasileiras, duas mexicanas e uma colombiana.
O documento afirma que os resultados corroboram dados da OCDE publicados em setembro do ano passado, que mostram que, em se tratando de proporção do PIB investida em educação, o Brasil foi o país - entre os países da OCDE e associados - que registrou o maior crescimento no período de 2000 a 2008.
Segundo o relatório, em 2008 o Brasil investiu US$ 22 bilhões (R$ 44,5 milhões) em pesquisa, comparado com o México, a Argentina e o Chile, que investiram, respectivamente, US$ 5,8 bilhões, US$ 2,7 bilhões e US$ 1,2 bilhão.

Diversidade

Nunca antes a lista contou com tantos países diferentes entre as cem primeiras posições do ranking. A relação deste ano inclui instituições de 72 países entre as primeiras cem colocações.
Na relação dos cem mais, o sul-coreana Kaist (Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia) foi o que registrou a mais expressiva ascensão, tendo passado do 70º para o 64º lugar.
A lista foi encabeçada pela primeira vez neste ano pelo americano Massachusetts Institute of Technology (MIT), seguido da britânica Cambridge University, que perdeu a primeira colocação para a instituição dos Estados Unidos.
A terceira colocação coube a outra instituição americana, a Harvard University, que ocupou a primeira colocação entre 2004 e 2009.
O MIT vem ascendendo no ranking desde 2007, quando ocupava a décima colocação. "A ascensão do MIT coincide com uma mudança global em direção à ciência e à tecnologia'', afirma o chefe do setor de pesquisa do QS, Ben Sowter. "O MIT aperfeiçoa um padrão que vem sendo seguido por uma nova onda de instituições centradas em tecnologia de ponta, especialmente na Ásia.''


Mesmo sendo um dos países que mais aumentaram os gastos com educação entre os anos 2000 e 2009, o Brasil ainda não investe o recomendado do PIB (Produto Interno Bruto) em educação e está longe de aplicar o valor anual por aluno indicado pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico), com base na média dos países membros. Os dados fazem parte do relatório sobre educação divulgado nesta terça-feira (11) pelo órgão.
Os gastos por aluno na educação primária e secundária cresceram 149% entre 2005 e 2009, mas o Brasil ainda está entre os cinco países que menos investem por aluno, entre os avaliados pela OCDE.

INVESTIMENTOS FINANCEIROS EM EDUCAÇÃO - GASTO ANUAL POR ALUNO

NívelBrasilMédia da OCDEPosição do Brasil no ranking
Ensino pré-primárioUSD 1,696USD 6,6703º pior colocado de 34 países
Ensino primárioUSD 2,405USD 7,7194º pior colocado de 35 países
Ensino secundárioUSD 2,235USD 9,3123º pior colocado de 37 países
  • USD = Dólar americano
  • Fonte: OCDE
Já no ensino superior houve uma diminuição de 2% dos gastos públicos por estudante - com isso, o Brasil fica em 23º lugar de uma lista com 29 países.
Apesar de estar abaixo do recomendado, o investimento público total em educação no Brasil passou de 10,5% em 2000 para 16,8% em 2009. Nesse quesito, o país é o 4º em um ranking de 32 países avaliados – atrás somente de Nova Zelândia, México e Chile.

PIB

A porcentagem do PIB brasileiro que vai para educação também está abaixo da média da OCDE: o Brasil investe 5,55% do PIB no setor, quando o recomendado é 6,23%. O PNE (Plano Nacional da Educação), aprovado na Câmara e que segue agora para o Senado, prevê o investimento de 10% do PIB em educação.
Segundo a OCDE, 4,23% do PIB brasileiro é investido em ensino primário e secundário – acima da média de 4% definida pelo órgão. No ensino superior, entretanto, o Brasil investe apenas 0,8%, sendo o 4º país que menos gasta nesse nível de ensino. Já com pesquisa e desenvolvimento o Brasil apresenta o menor gasto entre 36 países avaliados: somente 0,04% dos investimentos em educação são para o setor.
O relatório destaca a evolução da porcentagem do PIB brasileiro investido em educação: "Em 1995, o Brasil investiu 3,7% do seu PIB em educação, em comparação com a média da OCDE de 5,6%. Enquanto o nível de investimento caiu um pouco em 2000, no Brasil (para 3,5%) e nos países da OCDE como um todo (5,4%), até 2005 o Brasil conseguiu aumentar seu investimento em educação para 4,4% do PIB (a média da OCDE, que ano foi de 5,7%), e em 2009 o nível subiu para 5,5% do PIB no Brasil, enquanto a média da OCDE chegou a 6% e, entre os países do G20, 5,7%".

OCDE

A OCDE é uma organização internacional para cooperação e desenvolvimento dos países membros. Fazem parte da OCDE: Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, República Tcheca, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Coréia, Luxemburgo, México, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Polônia, Portugal, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos. 
O relatório "Education at a Glance 2012" ("Olhar sobre a Educação") analisa os sistemas de ensino dos 34 países membros da OCDE, bem como os da Argentina, Brasil, China, Índia, Indonésia, Rússia, Arábia Saudita e África do Sul.
A OCDE também é responsável pela aplicação e divulgação dos resultados do Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos).


Português inventa gel para tratar feridas crónicas
Fonte: http://www.boasnoticias.pt
Lino Ferreira, um investigador da Universidade de Coimbra, acaba de patentear um gel criado através de células estaminais do sangue do cordão umbilical que trata de forma mais eficaz as feridas crónicas, com principal destaque para os doentes diabéticos.

Em parceria com a empresa Crioestaminal, o cientista, de 41 anos, começou a desenvolver esta tecnologia em 2009 com uma equipa de seis elementos no Centro de Neurociências e Biologia Celular, no Biocant Park, parque de Biotecnologia de Cantanhede.

O problema das feridas crónicas afeta cerca de 150 mil doentes diabéticos em Portugal. A grande dificuldade dos diabéticos no tratamento destas feridas é sua a difícil cicatrização, calculando-se que 15% destes doentes tenham ulcerações no pé que não cicatrizam.

Em entrevista ao jornal Ciência Hoje, o investigador explica que o gel resulta da combinação de três componentes que representam uma resposta mais eficaz para o tratamento de feridas crónicas.

“A novidade é a conjugação de três componentes: a utilização de células estaminais que são isoladas do sangue do cordão umbilical, combinadas com células dos vasos sanguíneos que são elas próprias derivadas de células estaminais e um gel de biomimético, isto é, um gel produzido por componentes encontrados no sangue”, diz o investigador português.

Contudo, Lino Ferreira refere que, apesar do foco principal deste gel ser o tratamento de feridas crónicas, o gel também pode ser usado para outras patologias como o “tratamento de doenças isquémicas [falta de suprimento sanguíneo a determinado tecido] em geral”.

A próxima fase do estudo passa por fazer ensaios clínicos em humanos ainda este ano. A equipa já está à procura de parceiros e financiadores, numa fase que se estima que vá demorar dois a três anos.

Este cientista português já conta com 14 patentes registadas no panorama internacional. Sete das patentes inscritas foram comercializadas por empresas americanas, europeias e nacionais.

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

UFPB lança edital para concurso de professores
UFPB lança edital para concurso que conta com 71 vagas para Professor


A Universidade Federal da Paraíba (UFPB), faz saber aos interessados que realizará concurso público e processo seletivo com objetivo de preencher 71 vagas em cargos de nível superior, para função de Professor de 3º Grau.

De acordo com edital lançado pelo Diário Oficial da União, oportunidades abertas no concurso UFPB são para áreas de Biotecnologia de Alimentos (01), Biotecnologia Aplicada a Agropecuária (01), Biologia Molecular e Bioinformática (01), Empreendedorismo, Proteção da Propriedade Intelectual e Bioética (01), Microbiologia e Virologia (01), Fisiologia Humana (01), Genética (01), Química Geral e Química Orgânica (01), Bioquímica (01), Imunologia e Biologia Celular (01), Mecânica dos Sólidos (01), Controle Ambiental (01), Engenharia Química (03), Engenharia Elétrica (03), Automação Industrial (01), Microeletrônica (01), Sistemas de energia (01), Sistemas Multimídia (01), Análise Numérica (01), Poéticas Contemporâneas (01), História da Arte (01), Som para Cinema e Audiovisual (01), Edição digital para cinema e audiovisual (01), Fotografia para cinema e audiovisual (01), Direção para cinema e audiovisual (01), Fotografia digital (01), Turismo (02), Voz e Sonoplastia (01), Técnicas visuais para o espetáculo - figurino, iluminação, maquilagem, cenografia (01), Técnicas e processos de criação em dança (02), Teoria e História da Dança (01), Técnicas somáticas e saúde (01), Tradições e danças populares (02), Dança educação (03), Música / Matérias Teóricas (01), Bioquímica (01), Química Analítica, Quimiometria e Química das Água (01), Físico-Química, Química Quântica e Cristalografia (02), Transformações Químicas, Química de Coordenação e Materiais, Síntese Inorgânica (01), Fundamentos da Educação e Planejamento(01), Gestão Educacional e Currículo (01), Matemática (01), Metodologias do Ensino e Estágio Supervisionado (01) e Física Geral(01).

Salários oferecidos variam entre R$ 2.215,54 e R$ 7.627,02, dependendo do regime de trabalho do aprovado.

Inscrições

As inscrições para cargos do concurso público estarão abertas durante o período de 10 de setembro a 05 de outubro de 2012, somente em dias úteis, das 08h00min às 11h30min e das 14h00min às 16h30min, no Departamento de Ciências Fundamentais e Sociais do Centro de Ciências Agrárias (Campus II - Areia-PB).

Provas

O concurso constará de prova escrita, prova didática, prova de plano de trabalho e exame de títulos. As datas prováveis de realização das provas serão divulgadas oportunamente, mas estas deverão ocorrer entre 30 e 60 dias após o término do prazo de inscrições.

O prazo de validade dos certames será de um ano, podendo haver prorrogação por igual período.

Fonte: R7

Fonte: Opovo

 

 

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) da Universidade Federal do Ceará aprovou, por unanimidade, após reunião na manhã segunda-feira, 10, o novo Calendário Acadêmico para os semestres letivos 2012.1 e 2012.2, após o término da greve dos professores. O início do período letivo 2012.2 (sistema semestral e sistema anual), da graduação e da pós-graduação, está marcado para 8 de outubro. O período de matrícula curricular e institucional de 2012.2, via internet e nas coordenações de curso ficou marcado para os dias 2, 3 e 4 de outubro.

Nos dias 8 e 9 de outubro, haverá recepção dos novos estudantes ingressantes em 2012.2, pelas coordenações dos cursos e diretorias de unidades acadêmicas. De 8 a 11 de outubro, é o período para a confirmação presencial de matrícula pelos ingressantes Sisu 2012.2. O período de ajuste de matricula 2012.2 (via internet e nas coordenações de cursos) está marcado para os dias 9 e 10 de outubro, mesmas datas para o requerimento de matrícula para aluno especial e para estudantes do programa de mobilidade acadêmica, nas coordenações de cursos, para o período 2012.2. O prazo final para as coordenações digitarem a confirmação presencial de matrícula dos ingressantes SiSU 2012.2 é dia 16 de outubro.

O 2º semestre de 2012 ficará encerrado no dia 18 de fevereiro de 2013 (100 dias letivos). De 19 a 26 de fevereiro, serão realizadas as avaliações finais do semestre (1ª e 2ª chamadas) em todos os campi. O dia 28 de fevereiro é o prazo final para a consolidação das sínteses de notas e freqüências das disciplinas anuais 2012.1 e das disciplinas semestrais 2012.2, pelos professores.

Conclusão do semestre 2012.1

As aulas nos campi da UFC em Fortaleza e em Quixadá recomeçam nesta segunda-feira, 10, e as dos campi do Cariri e Sobral, a partir de quarta-feira, 12, acatando o argumento dos conselheiros representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE) de que alguns alunos moram fora da cidade-sede dos respectivos campi. As aulas relativas ao primeiro semestre deste ano ficam encerradas no dia 29 de setembro.

Eventos

O professor Custódio Almeida, Pró-Reitor de Graduação da UFC e relator da proposta que regulamenta o calendário acadêmico 2012, disse que os meses de outubro e novembro concentrarão eventos como o Festival UFC de Cultura, de 15 a 20; Semana da Tecnologia, de 17 a 19; e IV Feira das Profissões, de 24 a 26 de outubro. Em novembro, serão realizados os Encontros Universitários nos campi de Quixadá (21 a 23), Sobral (8 e 9) e Cariri, bem como a Feira das Profissões do Cariri (de 20 a 22). Também em novembro, serão realizadas as Semanas de Ciências Agrárias, de Educação, da Biotecnologia.

 

Redação O POVO Online

 

domingo, 9 de setembro de 2012



Cientistas da StemCells, Inc., nos EUA, desenvolveram um novo procedimento através do qual células-tronco são injetadas diretamente nas medulas espinhais de pacientes paralisados para restaurar a sensibilidade.
Os resultados revelam que, seis meses após receberem as doses de células-tronco, dois dos três indivíduos testados já conseguiam perceber sensações de toque e calor até a altura do umbigo.
Segundo os pesquisadores, apesar de parecer pouco, isso se trata de um enorme progresso para esse tipo de paciente.
Os testes foram conduzidos em três indivíduos parcialmente paralisados e que não apresentavam nenhuma sensação da região do peitoral para baixo que receberam injeções contendo 20 milhões de células-tronco neurais.
As células utilizadas no experimento foram obtidas através de doações de tecidos cerebrais provenientes de fetos humanos, e os pacientes receberam doses de drogas imunossupressoras para reduzir os riscos de rejeição.
"Após três meses, notamos que os três pacientes toleraram o transplante de células muito bem, e não temos preocupações de segurança neste ponto. Ficamos muito intrigados ao ver que dois dos três pacientes ganharam função sensorial considerável. Esses ganhos são inesperados em pacientes com lesões medulares desta gravidade, o que sugere que as células-tronco neurais estão tendo um efeito clínico benéfico", afirma o pesquisador Armin Curt, do Balgrist University Hospital, em Zurique.
De acordo com Stephen Huhn, da Stem Cells, Inc., esta é a primeira vez que uma mudança desta magnitude sensorial tem sido relatada em pacientes com lesão medular completa após um transplante de células-tronco.
Embora os cientistas ainda não saibam exatamente como as células-tronco agem na restauração da sensibilidade em pacientes paralisados, eles acreditam que essas estruturas podem ajudar a restabelecer nervos danificados ou até mesmo fazer com que os nervos existentes funcionem de maneira mais eficiente.
Os dados foram apresentados na 51st Annual Scientific Meeting of the International Spinal Cord Society in London.

sábado, 8 de setembro de 2012


O Serviço de Transplante Renal do Hospital Universitário Walter Cantídio, da UFC, registrou na madrugada de sexta-feira (31) seu milésimo procedimento. Neste mês, a equipe comemora 36 anos de criação Centro de Pesquisas em Doenças Hepato-Renais do Ceará (CEPHRECE), que possibilitou o desenvolvimento dos transplantes nessas áreas em nosso Estado. A nefrologista e chefe do Serviço de Transplante Renal do HUWC, Paula Camurça Fernandes, ressalta a importância da marca de mil transplantes, uma conquista de toda a equipe do HUWC. "Nossa missão é levar esperança aos portadores de insuficiência renal crônica, reintegrar o indivíduo à sociedade, através da realização do transplante renal, que fornecerá melhor qualidade de vida àqueles que recebem um rim", afirma.

O HUWC é referência nacional na área de transplantes. Conforme o Registro Brasileiro de Transplantes (RBT), em 2011 o hospital realizou 258 transplantes, sendo 94 renais, 126 hepáticos, 19 de medula óssea, 18 de córnea e um de pâncreas, superando assim os 208 procedimentos realizados em 2010. Até o final deste ano, as expectativas são positivas.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, o Ceará, atualmente, é o 4° colocado em número de transplantes de órgãos no País, ficando atrás apenas de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Em 2011, a Secretaria da Saúde do Estado registrou 1.295 transplantes de órgãos e tecidos. A meta para 2012 é superar 1.800.

CEPHRECE – 36 anos: O Centro de Pesquisas em Doenças Hepato-Renais do Ceará veio com o objetivo de apoiar o ensino e a experimentação clínico-cirúrgica, visando ao aperfeiçoamento de técnicas e conhecimentos que viabilizam os transplantes de órgãos. Gerações de profissionais ajudaram a consolidar o trabalho. Atualmente o Diretor Geral do CEPHRECE é o Dr. João Batista Evangelista Júnior e a Diretora científica é a Dra. Claúdia Maria Costa de Oliveira. Além do transplante renal e hepático, o Hospital Universitário Walter Cantídio realiza transplante de medula óssea em parceria com o Hemoce, transplante de córnea e, recentemente, em 26 de novembro de 2011, foi realizado com sucesso o primeiro transplante duplo de pâncreas e rim no HUWC. Hoje, o milésimo transplante veio em dose dupla: o receptor receberá rim e pâncreas.

Sugestão de fontes: Paula Frassinetti Camurça Fernandes, Chefe da Unidade de Transplante Renal HUWC – (fone: 85 9985 4085 – paulafcbcfernandes[email protected]) / João Batista Evangelista Júnior, Diretor do Centro de Pesquisas em Doenças Hepato Renais do Ceará (CEPHRECE) – (fone: 85 9981 1529 - [email protected]) / Francisco José Lima Clementino, 6° paciente do transplante renal do HUWC. – (fone: 85 8562 8321 - 85 3294 -3399) / Ailson Gurgel Fernandes, Cirurgião Transplante Renal, realizou o milésimo transplante – (fone: 85 9981 6098

Fonte: Núcleo de Imprensa e Marketing – NIM – (fone: 85 3366 8183 / 8116 5042 / [email protected]